5 de dez de 2008

Imitando Ikyyu

Indo para o trabalho, desenrolo os fios do tocador de MP3. Posiciono os fones no ouvido e, sob o sol, reparo que o aparelho não liga: acabaram-se as pilhas. Silêncio. Nada de música. Frustração? "Bobagem", pensei, "quanto não canta o aparelho, canto eu". E pus-me a cantarolar mentalmente.

*

A história, de Ikyyu (monge zen), é a seguinte. Reproduzo-a do "Textos budistas e zen-budistas", de Ricardo Gonçalves, ed. Cultrix:


"Certa tarde de outono, o Mestre Ikyyu vagueava pelos campos, levando consigo uma flauta de bambu. Um eremita, ao vê-lo, perguntou-lhe:
- Quem és tu?
- Sou um peregrino que segue para onde sopra o vento.
Tencionando pô-lo em apuros, o eremita perguntou:
- E quando o vento não sopra?
- Então sopro eu - respondeu Ikyyu começando a soprar em sua flauta".

*

Na imagem, o Daibutsu japonês.

Um comentário:

  1. Eu acho interessante a transposição do particular para o universal.
    Realmente a dialética é extremamente didática.

    ResponderExcluir

> Apenas ouvindo a outra parte se exercita a dialética. Deixe aqui seu comentário, sugestões, críticas.

> Comentários ofensivos ou que não guardem pertinência com o assunto do post serão apagados.

> As opiniões expressas nos comentários são de exclusiva responsabilidade de seus autores, e não expressam a opinião do blog.

Related Posts with Thumbnails