8 de ago de 2006

Bach, ou a chave de prata

Mais que um leigo, sou um bárbaro: pouco sei de música clássica. Talvez por isso eu seja atingido com mais facilidade, talvez por isso faltem palavras e assome o espanto, tal qual um primitivo diante do que seja -aos seus olhos- inefável. Como agora: estou deitado na cama, e ouço algo. É Bach? Sim, mas poderia ser música de fada. Suíte nº3, ária na corda sol *. Já agora estou diante do computador, e ainda ouço: impossível não sentir o peso no coração, a quase dor física que nos faz contrair o rosto em aflição, quando as notas entram rasgando suaves, quando somos soterrados pelo vagalhão de melodia que nos lembra de qualquer coisa remota, mas lembra.

Poderia dizer que é mediúnico, mas é a nossa própria alma que se abre, as outras presenças que se mostram são aquelas do inconsciente libertadas pela melodia. Mas é possível -creio ser possível- que nesse momento se rasguem as fronteiras entre os mundos, e o acesso ao outro lado se torne palpável. E foi pensando nisso que escrevi o seguinte poema**, a propósito daquele outro mago, Wolfgang Amadeus:

Solto ao vento
Teu pensamento foge
Veloz, esquivo
Rumo às esferas mais altas
Sem se deter
E nos astros
Situa sua residência.

É espantoso
Que o simples ouvir acordes
Opere milagres
E, como chave de prata
Seja para a alma cativa
A redenção.

E notem que já li, nas "Obras Póstumas" de Kardec que -se dermos crédito a isso- a nossa música nada é comparada à elaborada em esferas mais altas. Parece -ainda se assim se nisso acreditarmos- natural. Ser incompleto, o homem produz de acordo com sua condição. Mas, enquanto não nos é dada a perfeição de lá, absorvamos a perfeição daqui- e Bach, do alto de minha ignorância de leigo, aproxima-se dela. Ao menos nesse momento, quando as notas entram rasgando suaves e a dor aperta o coração.


* BWV 1068
** "Ouvindo Mozart", de minha autoria. Em breve encomendarei uma tiragem com meus poemas, para presentear os amigos.

3 comentários:

  1. Refinadíssimo seu poema. A música realmente é inspiradora. Bravo, adorei! Abraços.

    Marli.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Marli. A ideia que quis passar é: a música liberta. Quem ouve, se sente livre. O mote foi Mozart, mas se adequa a tudo que nos toca.

    ResponderExcluir
  3. Tejo, muito belo o que escreveu.

    ResponderExcluir

> Apenas ouvindo a outra parte se exercita a dialética. Deixe aqui seu comentário, sugestões, críticas.

> Comentários ofensivos ou que não guardem pertinência com o assunto do post serão apagados.

> As opiniões expressas nos comentários são de exclusiva responsabilidade de seus autores, e não expressam a opinião do blog.

Related Posts with Thumbnails